Colecção de Anfíbios e Répteis ‘Museu Bocage’

Da Memória da Universidade

Ir para: navegação, pesquisa
Um pormenor da colecção (Foto: H. Gante, cortesia MNHN)

Colecção de Anfíbios e Répteis ‘Museu Bocage’. Local.: Museu Nacional de História Natural. URL: http://www.mnhnc.ul.pt/portal/page?_pageid=418,1391551&_dad=portal&_schema=PORTAL. Dimensão:1370 lotes (correspondente a c. 2840 exemplares). Assunto: Património Histórico, Científico e Artístico da Universidade de Lisboa.

Enquadramento institucional e legal

A colecção é propriedade do Museu Nacional de História Natural (MNHN). O MNHN é referido nos Estatutos da Universidade de Lisboa (Despacho Normativo nº 144/92) e tem estatuto próprio em vigor (Despacho nº 11002/2003). As colecções não são explicitamente mencionadas no Estatuto.

Na UL desde

Desde a data da sua reconstituição, em 1978, após o incêndio.

Nota Descritiva e Histórica

A colecção foi constituída na sequência do incêndio de 1978, que destruiu a colecção original do Museu Bocage proveniente do Real Museu da Ajuda e posteriormente enriquecida com espécimens durante os séculos XIX e XX. É constituída por 892 lotes de répteis e 477 lotes de anfíbios (nota: um lote corresponde a um conjunto de exemplares da mesma espécie, colectados num mesmo local, na mesma data). Existem ainda na colecção ossos e cartilagens corados de cerca de 200 espécimes. Os exemplares são na sua maioria oriundos de espécies da Península Ibérica. A colecção destina-se à investigação científica, ensino e exposição.

Relevância

Esta colecção inclui uma importante representação da herpetofauna ibérica. Como todas as colecções de história natural em geral, esta colecção constitui um importante repositório de diversidade biológica. O facto de as colheitas se estenderem ao longo de diversas décadas, introduz nas colecções biológicas uma perspectiva histórica, que permite reconstruir uma “memória ” de padrões e processos naturais. A colecção tem igualmente relevância para a UL pois inclui os espécimes utilizados nos trabalhos científicos dos vários investigadores da instituição. A colecção tem relevância nacional e internacional pois inclui holótipos e paratipos de várias espécies (21 tipos) (nota: os ‘tipo’ são exemplares sobre os quais foi feita a descrição de uma espécie, apresentando grande importância científica pelo seu valor de referência).

Utilização

A colecção é procurada regularmente por investigadores nacionais e alunos de formação avançada (alunos de mestrado e de doutoramento). É ainda frequente o empréstimo de exemplares a investigadores estrangeiros para estudo. Exemplares seleccionados integram as exposições “Colecções de Naturalistas” e “A Aventura da Terra” patentes no MNHN.

Estado do inventário

A colecção encontra-se inventariada em papel e em suporte informático.

Documentação

Como em qualquer colecção científica, a documentação é de primordial importância senão o espécimen tem reduzido valor. Todos os espécimens da colecção possuem proveniência bem determinada e informação científica associada.

Pessoal

Curador convidado: Rui Rebelo, Professor Auxiliar da FCUL, doutoramento; Curador-adjunto: José Pedro Granadeiro, Técnico Superior Principal, quadro do MNHN, doutoramento.

Bibliografia

P. Antunes, L. Vicente & E.G. Crespo 2003. Portuguese Lacertids in the collections of the Museu Bocage. Arquivos do Museu Bocage (Nova Série), III (18): 441-502.

M. Ferreira, J. E. González-Fernández, E. G. Crespo & L. Vicente 2003. Anfíbios de Portugal nas Colecções dos Museus de História Natural de Lisboa e Madrid. Munibe, 25: 190-195.


Autor: Rui Rebelo e José Pedro Granadeiro (MNHN) [2010]


Levantamento do Património Histórico, Científico e Artístico da Universidade de Lisboa:

Colecção de Anfíbios e Répteis ‘Museu Bocage’

Pelo Grupo de Trabalho constituído por Marta Lourenço, Ana Mehnert Pascoal e Catarina Teixeira

Logo-Levantamento-Patrimonio-UL.png
Ferramentas pessoais
Espaços nominais
Variantes
Acções
Navegação
Ferramentas