Angiopneumografia

Da Memória da Universidade

Ir para: navegação, pesquisa
Angiopneumografia no homem obtida em Fevereiro de 1931, com solução de iodeto de sódio a 120%

Angiopneumografia. Técnica que permite a visibilidade dos vasos pulmonares, comunicada em 1931 por Lopo de Carvalho, Egas Moniz e Almeida Lima. Parte de: Angiografia. Área: Pneumotisiologia. Contrib.: Carvalho, Fausto Lopo Patrício deLima, Pedro Manuel Urbano de AlmeidaMoniz, António Caetano de Abreu Freire Egas.

A obtenção da visibilidade dos vasos pulmonares (angiopneumografia) foi desenvolvida por Fausto Lopo de Carvalho, Egas Moniz e Almeida Lima, no seguimento das descobertas já efectuadas no âmbito da visibilidade das artérias cerebrais, por Egas Moniz e Almeida Lima, e dos grossos vasos do abdómen, por Reinaldo dos Santos, Lamas e Caldas. O método consistiu em introduzir na corrente sanguínea a mesma substância opaca já ensaiada e testada quanto à sua toxicidade, acção irritativa nos tecidos e opacidade aos raios X, por Egas Moniz e Almeida Lima. A descoberta da angiopneumografia foi pormenorizadamente descrita em vários artigos de autores com ela directa ou indirectamente relacionados, como Lopo de Carvalho e Ayres de Sousa. Fausto Lopo de Carvalho, Egas Moniz e Almeida Lima levaram a cabo as primeiras tentativas de visualização dos vasos arteriais do pulmão em Outubro de 1930. Estas consistiram em radiografar vários animais no momento em que injectavam por punção directa uma solução concentrada de iodeto de sódio no ventrículo direito. Os bons resultados obtidos provaram a exequibilidade do método, mas faltava desenvolver uma técnica clinicamente aceitável que permitisse obter a mesma visualização no homem. Neste, nem a tentativa inicial de injecção da solução opaca no braço, nem a tentativa de aproximar a introdução da veia cava superior através da injecção na jugular externa deram resultados minimamente aceitáveis. Esta tentativa deu mesmo resultados contrários aos obtidos com os animais de experiência. No homem só se conseguiam obter iguais resultados injectando na jugular interna, o que implicava uma intervenção cirúrgica e era incompatível com a operacionalidade clínica pretendida. A alternativa consistiria em introduzir uma sonda numa veia superficial, nomeadamente no pescoço, e fazê-la chegar à veia cava ou mesmo à aurícula. Também aqui se verificaram sucessos com a sondagem auricular em animais e insucessos com a sua aplicação no homem. A primeira técnica utilizada como sucesso no homem baseou-se na demonstração feita pelo cirurgião alemão, Werner Forssman (1904-1979), na revista Klinische Wochenschrift (1929) de que era possível fazer chegar ao átrio direito do coração uma sonda radiopaca introduzida numa veia superficial do braço. O recurso a esta técnica permitia diminuir os receios da equipe de investigadores acerca dos efeitos da agressão mecânica da sonda nas paredes dos vasos. Lopo de Carvalho e os seus colaboradores iniciaram a aplicação desta técnica com concentrações crescentes de iodeto de sódio, até obterem as primeiras angiopneumografias em Fevereiro de 1931. A primeira vagamente desenhada foi obtida com uma concentração de 80% em princípios do mês, mas a obtenção de uma boa visualização só foi conseguida dias depois, com uma solução a 120%. A primeira comunicação sobre a descoberta desta técnica foi apresentada na Academia das Ciências de Lisboa, a 19 de Fevereiro de 1931. Nesta data já tinham sido realizadas as experiências em coelhos, cães e macacos e obtidos os dois primeiros casos de visibilidade dos vasos pulmonares no homem. A esta comunicação seguiu-se outra, em 14 de Abril de 1931, à Académie de Médecine de Paris. Comunicações relacionadas com esta descoberta foram ainda apresentadas nas sessões de Fevereiro e de Abril da Sociedade Portuguesa de Biologia. O primeiro artigo sobre a angiopneumografia seria publicado, tendo Egas Moniz como primeiro autor, na revista La Presse Médicale de 4 de Julho de 1931. Neste mesmo ano, apenas foram publicados artigos em revistas estrangeiras, o já referido, outro nos Beiträge zur Klinik der Tuberkulose e os resumos publicados no Bulletin de l'Académie de Médecine e nas Comptes Rendus des Séances de la Societé de Biologie. O primeiro artigo numa revista nacional, publicado na Lisboa Médica, apenas surgiu no ano seguinte, com o título “A visibilidade dos vasos pulmonares (Angiopneumografia)”. Encontra-se assinado por Egas Moniz e Lopo de Carvalho, mas tem a particularidade de listar o elenco completo de todos os colaboradores que de alguma forma participaram no processo, Almeida Lima, Aleu Saldanha e todos os assistentes da Clínica Propedêutica: Vasco de Lacerda, Alberto de Carvalho, Carlos Vidal e José Rocheta. O facto de os investigadores portugueses terem utilizado a técnica do cateterismo auricular descrita por Forssman em 1929, e de este ter comunicado as suas primeiras e infrutíferas tentativas de visualização das cavidades cardíacas em animais num artigo publicado em 20 de Março de 1931 na Müncher Medizinische Wochenschrift, um mês antes da comunicação feita em Paris e quatro meses antes do artigo na La Presse Médicale, veio tirar algum brilho à descoberta de Egas Moniz e Lopo de Carvalho. A precedência da comunicação feita à Academia das Ciências de Lisboa não admite dúvidas, mas também não impediu a difusão errónea da ideia da prioridade de Forssman, reforçada pela atribuição do Prémio Nobel pelo cateterismo do coração ao cirurgião alemão em 1956. No plano nacional, o reconhecimento das qualidades de investigador de Lopo de Carvalho e do seu contributo não se fez esperar. A Academia de Ciências de Lisboa elegeu-o como sócio correspondente em Maio de 1934, passando-o a sócio efectivo em 1956, para ocupar precisamente a cadeira que ficara vaga com a morte de Egas Moniz. A Academia chegou a decidir apresentar a sua candidatura ao Prémio Nobel.


Autor: José Pedro Sousa Dias

Cronologia

Início Fim Evento Descrição
2426391.519 Fevereiro 1931 Comunicação sobre a descoberta da angiopneumografia Lopo de Carvalho apresenta a primeira comunicação sobre a descoberta da angiopneumografia na Academia das Ciências de Lisboa, a 19 de Fevereiro de 1931


Factos sobre AngiopneumografiaFeed RDF
DenominaçãoAngiopneumografia  +
DescriçãoTécnica que permite a visibilidade dos vasos pulmonares, comunicada em 1931 por Lopo de Carvalho, Egas Moniz e Almeida Lima
Existe na áreaPneumotisiologia  +
ImagemAngiografia-homem-120pc.png  +
Parte deAngiografia  +
Ferramentas pessoais
Espaços nominais
Variantes
Acções
Navegação
Ferramentas